Pagamento Cielo em 5x sem juros. Parcela mínima R$30,00

Em A era da intolerância, o jornalista, cientista social e
escritor Thales Guaracy põe em perspectiva a história
do início do século XXI, do atentado às Torres Gêmeas,
em Nova York, à pandemia do coronavírus: duas
décadas que marcam o fim do capitalismo industrial e o
surgimento do capitalismo tecnológico e da Sociedade
da Informação, com seus avanços, incertezas e conflitos.
Usando como fio condutor os acontecimentos
econômicos, políticos e sociais, marcados por uma
grande revolução tecnológica, Guaracy nos leva
a uma análise profunda dos desafios do mundo
contemporâneo. A mesma liberdade que expandiu
a democracia pelo globo – e permitiu grandes
avanços na economia e no comportamento – deu
impulso ao desemprego em massa e à exclusão
social. Paradoxalmente, a tecnologia ajudou a
expandir fenômenos supostamente arcaicos, como o
fundamentalismo religioso, o radicalismo político, a
xenofobia e as rivalidades nacionais, que se imaginava
extintas após o fim da Guerra Fria.

A era da intolerância

R$59,00
A era da intolerância R$59,00
Entregas para o CEP:

Meios de envio

Em A era da intolerância, o jornalista, cientista social e
escritor Thales Guaracy põe em perspectiva a história
do início do século XXI, do atentado às Torres Gêmeas,
em Nova York, à pandemia do coronavírus: duas
décadas que marcam o fim do capitalismo industrial e o
surgimento do capitalismo tecnológico e da Sociedade
da Informação, com seus avanços, incertezas e conflitos.
Usando como fio condutor os acontecimentos
econômicos, políticos e sociais, marcados por uma
grande revolução tecnológica, Guaracy nos leva
a uma análise profunda dos desafios do mundo
contemporâneo. A mesma liberdade que expandiu
a democracia pelo globo – e permitiu grandes
avanços na economia e no comportamento – deu
impulso ao desemprego em massa e à exclusão
social. Paradoxalmente, a tecnologia ajudou a
expandir fenômenos supostamente arcaicos, como o
fundamentalismo religioso, o radicalismo político, a
xenofobia e as rivalidades nacionais, que se imaginava
extintas após o fim da Guerra Fria.